Select Menu

Slider

Teste Menu 1

O Banco Mundial anunciou nesta quinta-feira a liberação de 100 milhões de dólares adicionais para acelerar o envio de profissionais de saúde estrangeiros aos países africanos afetados pela epidemia de ebola. "A resposta mundial à crise do ebola se intensificou últimas semanas, mas ainda sofremos com uma grave escassez de de equipes de saúde nas zonas de infecção mais fortes", afirmou o presidente do Banco Mundial, Jim Yong Kim.
Segundo a ONU, seria necessário o envio de 5.000 profissionais da saúde estrangeiros para Guiné, Libéria e Serra Leoa, os três países mais afetados pela epidemia de febre hemorrágica que provocou quase 5.000 mortes. Os recursos liberados pelo Banco Mundial devem financiar especialmente a criação de um centro de coordenação instalado em Gana e que ficará responsável por "recrutar, formar e enviar" equipes médicas aos três países, segundo comunicado.
A quantia deve permitir a aproximação das metas fixadas no início de outubro pela comunidade internacional: isolar e tratar 70% dos casos suspeitos, além de assegurar o enterro de 70% das vítimas nos próximos 60 dias. "Devemos encontrar todos os recursos possíveis para eliminar as barreiras que impedem aos trabalhadores do setor de saúde estrangeiros de cumprir com sua missão", disse Kim.
No total, o Banco Mundial anunciou a liberação de 500 milhões de dólares para controlar a epidemia, dos quais 177 foram efetivamente desembolsados, segundo um comunicado.
O site Victoria Milan, voltado para casados que desejam ter relações extraconjugais, realizou uma pesquisa com brasileiros infiéis para saber qual a relação deles com a religião.
O resultado da pesquisa, feita com 3.544 pessoas, mostra que 82% deles são cristãos e que a maioria acredita que Deus perdoaria a traição se tiver “uma boa causa” para ser infiel.
Foram 76% dos entrevistados que disseram sim para a pergunta: “Acredita que Deus perdoa casos extraconjugais, caso ocorram por uma boa razão/causa?”. Somente 24% disse que não.
Outra pergunta respondida pelos usuários do site questionava se um envolvimento maior com a religião faria com que a pessoa deixasse de trair, 88% disse que não, 12% que sim.
Mas apesar dessa confissão, apenas 9% dos entrevistados disseram que o cristianismo é a religião de pessoas infiéis, 45% disseram que não e 46% assinalou que os cristãos não são mais infiéis que os demais religiosos.
“A nossa pesquisa nos mostra que o cristianismo não é visto como sendo uma religião promíscua, pelo menos não mais do que outra religião qualquer, embora os cristãos priorizem o impacto da infidelidade no seu cônjuge em detrimento daquele que é causado na sua fé”, disse Sigurd Vedal, fundador do site.
Os usuários também se mostraram mais preocupados com o perdão do cônjuge (54%) do que com o perdão de Deus (46%). “Eles acreditam veemente que Deus perdoaria sua infidelidade, enquanto a vontade do parceiro não parece igualmente benevolente”, opinou o criador do Victoria Milan.
Um gene que sofreu mutação é o responsável por alguns casos de alterações cardíacas e morte súbita, segundo uma pesquisa de cientistas espanhóis publicada nesta quarta-feira (29). O estudo foi comandado por Carlos López-Otín, catedrático de bioquímica e biologia molecular da Universidade de Oviedo e Jose S. Puente, do Instituto de Oncologia da mesma universidade, que analisaram o genoma de pacientes com miocardiopatia hipertrófica.
"A análise genômica nos permitiu concluir que mutações no gene FLNC, codificante de uma proteína denominada filamina C, causaram miocardiopatia hipertrófica em oito das famílias estudadas", afirmou Puente.
Em declarações à Agência Efe, Ana Gutiérrez-Fernández, co-autora do estudo, publicado na "Nature Communications", comenta que a identificação desse novo gene "permite explicar a causa da doença em um grupo de pacientes sem mutações nos genes já conhecidos".
A descoberta do FLNC possibilitará identificar as pessoas portadoras desta mutação no gene e fazer um "acompanhamento clínico mais personalizado", aplicando um tratamento específico e, inclusive, se for necessário, poderá permitir que um desfibrilador seja implantado nos pacientes para evitar o processo que desencadeia a morte súbita, destacou a pesquisadora. 
Um acidente envolvendo um ônibus e uma carreta deixou 11 mortos e mais de 30 pessoas feridas em Ibitinga, a cerca de 350 quilômetros de São Paulo (Silva Junior/Folhapress)
Um acidente entre um ônibus e um caminhão deixou onze pessoas mortas e trinta feridas no interior de São Paulo, no município de Ibitinga, região de Bauru. A colisão aconteceu na madrugada desta terça-feira na Rodovia Deputado Leônidas Pacheco Ferreira (SP 304). O impacto da batida foi tão forte que a lateral do ônibus foi arrancada e os passageiros foram arremessados para fora do veículo. Vários passageiros ficaram presos nas ferragens.
O ônibus escolar transportava alunos e docentes da Escola Estadual Dom Gastão Liberal Pinto, da cidade de Borborema, que voltavam de uma excursão na capital paulista. Entre os mortos estão sete estudantes, com idade entre 15 e 17 anos, três professores e uma diretora. Os feridos foram levados para hospitais de Borborema e Ibitinga. Na manhã desta terça-feira os bombeiros localizaram a 11ª vítima. O corpo – totalmente carbonizado – foi encontrado nos destroços da carreta, que transportava óleo vegetal e pegou fogo após a colisão. O motorista do caminhão sofreu ferimentos leves. Já o motorista do ônibus ficou gravemente ferido.
De acordo com testemunhas, o caminhão teria invadido a pista por onde trafegava o ônibus. O motorista ainda tentou desviar, mas não conseguiu evitar a colisão.
Segundo testemunhas, a pista passava por obras de duplicação e o limite de velocidade no local é de 60 quilômetros por hora.
O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, afirmou nesta tarde que "lamenta profundamente" o acidente. No Twitter, Alckmin escreveu: "Lamentamos profundamente o acidente de ônibus em Ibitinga. Estamos com nossos esforços concentrados no socorro às vítimas e ajuda aos familiares. Nossos sentimentos e orações a todos".
O governo afirmou que a Secretaria de Segurança Pública trabalha para esclarecer as causas do acidente e que o secretário estadual de Educação, Herman Voorwald, está no local. 
Neste último domingo, quando a presidente Dilma Rousseff foi reeleita para o cargo que ocupa na disputa mais apertada da história, chamou a atenção o número de pessoas relatando que, ao chegarem às seções, descobriam que alguém já havia votado em seu lugar.
Um dos casos foi o de Claudia Souza, jornalista de São Paulo que fez um vídeo para denunciar a situação. Segundo ela, ao inserirem o número de seu título de eleitor, o sistema acusou que a votação já havia sido realizada, mas o papel de confirmação ainda estava no caderno sem sua assinatura ao lado. No vídeo, há todo o processo, desde o momento da votação até a tentativa de resolver o problema.
“Eu vou no cartório eleitoral pra resolver isso, só que já tem um candidato que foi eleito com um voto que não foi meu, assim como deve ter acontecido no Brasil, em vários lugares, erros de urna e que muitas vezes a pessoa desavisada assinou esse rebicinho aqui que tá esse protocolo que comprova que você votou. Então é isso que eu quero saber: essa eleição é válida ou não?”
O advogado Felipe Delmanto, também de São Paulo e eleitor de Aécio Neves, passou pelo mesmo problema. O comprovante havia sido destacado, mas a sua assinatura não constava no caderno. Delmanto recorreu à Polícia Militar para saber o que havia acontecido.
“Quero saber quem votou no meu lugar e para quem foi meu voto”, reclamou o advogado, que estava acompanhado da esposa, Marcela. “Nem o TRE sabe dizer o que aconteceu.”
Em Santos, ocorreu a mesma coisa com o autônomo André Luiz Cabral, que fez um boletim de ocorrência sobre o caso. Ele afirmou que, para resolver a questão, a mesária acabou registrando a sua votação com o número de outra pessoa.
“Ela tentou por meio de um novo número, que ela não quis me dizer, mas eu vi que foi o número de uma outra pessoa. Ela falou que ia dar no mesmo no final. Isso está errado. Que país é esse que você chega para votar e alguém já votou e a pessoa alguém diz que no final vai dar a mesma coisa? Eu estou indignado”, falou Cabral.
Até mesmo o ator David Brazil enfrentou o problema. Após tentar votar — sem sucesso –, ele fez uma postagem no Instagram dizendo-se chateado.
“Então é isso!!! Por ERRO DE ALGUÉM não consegui EXERCER MEU DIREITO DE CIDADÃO!!! Alguém votou no meu lugar, #xateado”.
Em São Bernardo do Campo, José Roberto dos Santos afirmou que, além de votarem em seu lugar, assinaram o livro com uma firma totalmente diferente da sua. Segundo o TRE, esse problema pode ocorrer quando há pessoas homônimas na mesma seção ou por equívoco do mesário.
Em Paulínia/SP, a vítima do suposto erro se chama Adriano Farrah Ferraz Aranha. Maria José da Silva, Isabel Cristina Conceição dos Santos, Catia Lima EIbson Freire, todos no Rio de Janeiro, passaram pelo mesmo problema.
Os erros não se restringiram somente à região sudeste. Em João Pessoa, o estudante Alberto Segundo, de 20 anos, deparou-se com a mesma situação. Para resolver a questão, Segundo foi encaminhado a um juiz do Fórum Eleitoral.
“Quando cheguei, ele já estava a par da situação e disse que infelizmente eu não poderia votar, porque alguém havia feito isso em meu nome. Depois pediu que eu voltasse na terça-feira para prestar um depoimento e abrir um processo”, relatou, acrescentando que se sentiu prejudicado por não poder exercer seu dever de cidadão.
Em Arapiraca (AL), ocorreu o caso mais grave, visto que nem mesmo o uso da biometria impediu a ocorrência do suposto erro. O candidato ao senado Elias Barros, do PTC não conseguiu exercer seu direito após descobrirem que seu voto também já havia sido registrado.
“Não consegui votar. Eu enquanto candidato e como cidadão me senti invadido. Esse com certeza é um registro incontestável de fraude. Na hora de votar descobri que votaram em meu lugar”, afirmou indignado o candidato.
Com o relato de tantos casos semelhantes, o mínimo seria esperar do TSE algum pronunciamento a respeito do problema o mais rapidamente possível. Mas, como o Tribuno Superior Eleitoral vem sendo tomado por ex-advogados das campanhas do PT, o mais sensato é cobrar dos opositores derrotados que não deixem tantas denúncias passarem em branco.
Oizumi - O candidato Aécio Neves (PSDB) obteve mais de 90% dos votos válidos nas 14 seções de Oizumi (Gunma), no segundo turno da eleição presidencial realizada neste domingo.

O tucano recebeu 3.350 votos, enquanto que Dilma Rousseff (PT) obteve 349.

  No primeiro turno, Aécio obteve 2.069 votos; Marina Silva (PSB) conseguiu 822 votos e Dilma ganhou 382.

O comparecimento nas seções eleitorais em Gunma foi de 73,2%, de um total de 5.383 eleitores registrados.

Oizumi abriga 14 seções eleitorais, de um total de 93 espalhadas por 10 cidades japonesas.

Os números dos votos foram obtidos através dos boletins das urnas que ficaram à disposição da imprensa para divulgação após a apuração.

O resultado oficial da apuração no Japão será divulgado pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) após as 6h de segunda-feira (horário de Tóquio).

O vice-cônsul de Tóquio, Leonardo Collares, disse que a votação em Oizumi ocorreu de forma tranquila e mais positiva em relação ao primeiro turno. "Isso graças à colaboração dos eleitores que já estavam familiarizados com o procedimento e às equipes de mesários e voluntários", declarou.

Foto: Thassia Ohphata/Alternativa
Hamamatsu - No segundo turno da eleição presidencial, realizado neste domingo, os brasileiros da jurisdição de Hamamatsu (Shizuoka) votaram maciçamente no candidato Aécio Neves (PSDB), que obteve 2.423 votos, enquanto a candidata à reeleição, Dilma Rousseff (PT), recebeu 263 votos. Foram 90,2% dos votos válidos a favor do tucano.

A seção eleitoral de Hamamatsu foi composta por 11 urnas, totalizando 4.486 eleitores aptos. O comparecimento foi de 2.832 com 146 votos em branco ou nulos.

Este segundo turno foi mais tranquilo, em comparação ao primeiro realizado antes da chegada de um tufão, há três semanas.

Segundo o cônsul-geral do Brasil em Hamamatsu, José Antonio Gomes Piras, o público eleitor do primeiro turno estava mais ansioso, muitos votavam pela primeira vez, havia a preocupação do tufão e houve eleitor que pernoitou a madrugada na fila.

"Desta vez procuramos divulgar e tranquilizar o eleitor, informando para não virem todos de uma vez no primeiro horário da manhã, podendo vir no período da tarde", explica o diplomata.

O cônsul ressalta que a rapidez para votar e a pouca fila também se deve ao dinamismo e no bom atendimento dos 44 mesários e cerca de 30 voluntários, que prestavam orientação assim que os eleitores chegavam.
 
Por um Brasil melhorA eleitora Celina Yamamoto, residente no bairro de Takaoka, em Hamamatsu, foi a última a votar na seção 0923/0970. Ela chegou correndo, pegou o elevador faltando menos de cinco minutos para o encerramento. "Eu estava na escola participando de uma reunião com os pais dos alunos", justificou seu atraso. "Não desisti de votar, porque desejo um Brasil melhor,  com boa educação e rede hospitalar e nosso voto pode contribuir para essa melhoria".

A performática e popular Nega Maluca compareceu para "colaborar com a cidadania brasileira". "Mas estou aqui também defendendo o leite das crianças, pois enquanto o Brasil não melhorar, não pretendo retornar, e torço por um Brasil melhor, independente de quem for eleito".

Foto: Osny Arashiro/Alternativa
Nagoia - O candidato à presidência Aécio Neves (PSDB) obteve 5.313 votos contra 587 dados à candidata Dilma Rousseff (PT) em Nagoia (Aichi), neste domingo, no segundo turno da eleição presidencial. O resultado, ainda não oficial, é referente a todas as 29 urnas apuradas no Consulado em Nagoia e na agência do Banco do Brasil.
 
Os eleitores atenderam aos pedidos dos Consulados e se dirigiram aos locais de votação em diferentes horários do domingo, não se concentrando tanto no período da manhã. Tanto é que uma hora depois de serem abertas as urnas já não havia filas do lado de fora do Consulado de Nagoia e do BB.


Mas muita gente se utilizou das redes sociais, como Twitter ou Facebook, para saber qual seria a melhor hora para ir votar sem ter que pegar fila. Uma delas foi Isa Silvestrini Karakawa, de Toyohashi (Aichi).


“Pedi essa ajuda no Facebook e, mesmo assim, quando cheguei à minha seção eleitoral me assustei, pois não havia fila, nem estresse”, contou, lembrando que o cenário foi bem diferente no primeiro turno. “Achei melhor votar mais à tarde, seguindo o conselho de amigos que fizeram o mesmo”, disse.


Já Nelson Shigenobu Suzuki, de Nagoia, preferiu vir de manhã para votar. “Acompanhei as notícias sobre a campanha pela internet, para ver as propostas dos dois candidatos. Mas essa campanha foi de muito baixo nível”, reclamou.


Rodrigo Vasconcelos, 38, votou à tarde e em poucos minutos já estava saindo do Consulado. “Mas o que eu vi na campanha deste segundo turno foi o de sempre, muita exaltação e poucas propostas”, lamentou.


Já Emília Mie Tamada, 56, de Katsuragi (Nara), lembrou que no primeiro turno veio com uma turma e pegou um táxi na estação de Nagoia para ir até o Consulado. O motorista, curioso, perguntou qual a razão daquele movimento de brasileiros. “Expliquei que estava tendo eleição para presidente. O motorista ficou espantado com a preocupação dos brasileiros com o Brasil. Ele contou que nem lembrava mais a última vez em que havia votado”, relatou.


Sobre a campanha, Emília viu o mesmo que outros eleitores: mais baixarias do que propostas de governo. “Não havia necessidade de ser assim. Política não é isso. Mas vim votar. Fiz a minha parte”, contou.


A consulesa adjunta em Nagoia, Gabriela Resendes, disse que vários fatores contribuíram para o bom andamento do segundo turno, como o dia sem chuva e o fato de muitos eleitores já saberem onde eram suas seções. “Além disso, das 252 pessoas que participaram da eleição na jurisdição do Consulado de Nagoia, 85% eram voluntárias, isto é, um número maior do que no primeiro turno”, disse.


Muita gente veio votar neste domingo e aproveitou para pegar formulários para justificar a ausência no primeiro turno. Segundo Gabriela, estas pessoas devem preencher os formulários, os quais podem ser obtidos também no site do Consulado de Nagoia, preenchê-los, anexar os documentos pedidos e enviar para o Cartório Eleitoral do Exterior, com sede em Brasília. “Portanto, não precisa vir ao Consulado para justificar”, avisou.
Um homem de 58 anos morreu em um acidente na Rodovia Comandante João Ribeiro de Barros, em Parapuã, na manhã deste sábado (25), por volta das 6h50.
Segundo informações da Polícia Militar Rodoviária, base da Adamantina, no acidente houve colisão frontal e na sequência transversal entre um Citroen C3 – placas de Promissão (SP), um Ford Fiesta – placas de Santa Bárbara D’Oeste (SP) e um Ford Fusion – placas de Vinhedo (SP)
Seis  pessoas ficaram feridas, três em estado grave. As vítimas foram socorridas à Santa Casa de Osvaldo Cruz.

Ainda de acordo com a polícia, um veículo Citroen C3 transitava no sentido Parapuã-Osvaldo Cruz e, por motivos a serem apurados, chocou-se frontalmente com o Fiesta, que seguia na direção contrária da pista. Em seguida, o Fusion bateu transversalmente contra um dos carros envolvidos no acidente.
Uma mulher de 54 anos, passageira do Fiesta, um ocupante do Fusion e outro passageiro do C3 ficaram gravemente feridos e foram levados ao hospital. Já as outras três pessoas sofreram ferimentos leves.
A pista estava molhada e uma das vias ficou parcialmente interditada. A perícia compareceu até a área e deve apontar, através de um laudo técnico, as causas do acidente.
G1